Cientistas preveem aumento de até 2 mil por cento em mortes por ondas de calor

Homem lê em dia de calor forte em Berlim
24/7/2018 REUTERS/Fabrizio Bensch

Por Sebastien Malo

O número de mortos por ondas de calor pode aumentar em até 2 mil por cento em algumas partes do mundo até 2080, de acordo com um estudo divulgado, conforme grandes partes do hemisfério norte são afetadas por temperaturas anormalmente altas.

Cientistas há tempos alertam que as mudanças climáticas irão provocar mais condições meteorológicas extremas em todo o globo, de ondas de calor a furacões.

Os pesquisadores do estudo mais recente dizem que este é o maior até o momento sobre o número de mortos por ondas de calor, que, segundo eles, irão aumentar em frequência e gravidade.

“Ondas de calor futuras serão em especial mais frequentes, mais intensas e irão durar muito mais”, disse Yuming Guo, professor associado da Universidade Monash, na Austrália, em comunicado.

“Se não pudermos encontrar uma maneira de mitigar as mudanças climáticas e ajudar as pessoas a se adaptarem às ondas de calor, haverá um grande aumento de mortes relacionadas a ondas de calor no futuro”.

Ondas de calor passando pelo hemisfério norte dominaram os noticiários nas semanas recentes, com dezenas de mortes registradas do Japão ao Canadá.

O estudo, publicado na revista LOS Medicine, analisou 20 países em quatro continentes e concluiu que o aumento na mortalidade deve ser maior próximo à linha do Equador.

A Colômbia, mais atingida, pode sofrer 2 mil por cento mais mortes prematuras de calor extremo durante o período de 2031 a 2080, comparado com o de 1971 a 2010, segundo o estudo.

As Filipinas e o Brasil também devem ter grandes aumentos nos números de mortes prematuras, de acordo com o estudo.

Países localizados mais longe do Equador, como Estados Unidos e nações europeias, terão aumentos menores.

No entanto, mesmo sob os melhores cenários – nos quais emissões de aquecimento do planeta foram contidas e aumentos populacionais são baixos – mortes irão aumentar, de acordo com o estudo.

Durante ondas de calor, definidas como ao menos dois dias consecutivos de temperaturas quentes anormais, o corpo não consegue dissipar o calor, deixando especialmente adultos mais velhos em risco de sofrerem condições médicas como ataques cardíacos.

Com base em dados históricos, os pesquisadores usaram modelos climáticos para estimar temperaturas futuras.

Eles disseram que a conclusão do estudo destacou a necessidade de tomar medidas agora para evitar uma crise de saúde pública no futuro.

Medidas para mitigar os efeitos do calor podem incluir abertura de centros de resfriamento e pinturas brancas em telhados para refletir a luz e manter casas mais resfriadas.

Reuters