ECODOM ampliou seus horizontes e criou raízes na cidade de Sabará

Por Ciangeli Clark, Elmo Julio de Miranda e Souza e Gesun Fernandes Prestes

O Movimento Socioambiental EcoDom, encontra-se em fase final, com entrega dos relatórios das tarefas realizadas nas instituições parceiras em 2018.

O Projeto ECOS vai deixar um legado para a comunidade escolar, uma nova proposta de ensinar, desenvolver e planejar a Educação Ambiental.

O Projeto propõe a educação em espaços formais, não formal e informal, envolvendo professores, alunos, direção, coordenação, supervisão, trabalhadores da educação e comunidade, buscando demonstrar que todos ensinam e aprendem no mesmo espaço, e ao mesmo tempo. Esclarecendo que a Educação Ambiental deve ser interdisciplinar, transdisciplinar, para os conteúdos encontrarem suas aplicações, e suas implicações no meio ambiente.

As tarefas elaboradas pelas instituições se comprometem a construir ações para modificar e reestruturar velhos hábitos enraizados, propondo novos métodos que respeitem o meio ambiente e promovam a cultura da preservação ambiental.

As escolas produzem grande quantidade de resíduos sólidos e com o desenvolvimento do Projeto ECOS vêm modificando hábitos e criando a cultura do descarte responsável. Levando o aluno a perceber que a melhor reciclagem e a cultura do não consumo, não desperdício. O ECOS quer a integração do homem ao meio ambiente, e para tanto, o melhor caminho para se educar ambientalmente é conscientizar os jovens para que tenham uma atuação maior nos espaços em que vivem.

A expansão do ECOS já é uma realidade, a  histórica cidade de Sabará conta com 04 (quatro) instituições inscritas no Projeto Ecos, sendo elas; “Escola Estadual Coronel Adelino Castelo Branco”, “Escola Estadual Professora Maria Elizabeth Viana”, “Escola Estadual Zoroastro Vianna Passos”, e a “Escola Estadual General Carneiro”, desenvolvendo um trabalho ambiental que capacitará alunos, professores e comunidade escolar à discutir os problemas ambientais recorrentes na comunidade com uma visão mais crítica.

Assim as escolas estão implantando temas ambientais com o trabalho interdisciplinar. Ações para redução na geração, reciclagem e reaproveitamento de resíduos sólidos e também moderação no uso dos recursos hídricos e elétricos. A participação e envolvimento são ampliados com atividades extras do Projeto, como o “Concurso de Dança de Rua” e “O Garota e Garoto Ecos” tendo um grande número participantes.

Sabarabucu é conhecida pelo patrimônio cultural constituído de lindas igrejas e belos casarões que guardam histórias e convidam ao estudo e a reflexão, hoje conta com dois grandes empreendimentos a Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) da Companhia de Saneamento Minas Gerais (COPASA) instalada nas margens do Rio das Velhas, Onça e Arrudas que trata parte do esgoto da região metropolitana de Belo Horizonte, e o Aterro Sanitário –  Centro de Tratamento de Resíduos Macaúbas que recebe lixo de 12 municípios da região metropolitana de Belo Horizonte cerca de 2,5 mil toneladas por dia.

A população sabaraence em suas instituições já percebem as implicações e discutem pontos positivos e negativos desses empreendimentos na sociedade, bem como a necessidade de preservar o patrimônio cultural artístico e social. Propostas intrínsecas nas diretrizes gerais do movimento ECOS que busca o diálogo e o estudo dos temas ambientais.

As ações humanas e seus empreendimentos devem ser vinculados no intuito de mensurar suas implicações e transformações, para entendermos a dimensão dos problemas ambientais precisamos de uma população instruída e participativa para proteger e preservar o meio ambiente.

A “Escola Estadual Coronel Adelino Castelo Branco” O Diretor Túlio Calixto dos Santos conta-nos que a escola está localizada as margens do Rio dasVelhas, tem no seu entorno, a paisagem da Igreja da Nossa Senhora do Carmo patrimônio cultural com acervo barroco e da Praça do Barão local de encontro e festas populares da cidade. Nosso estimado professor recebeu a Comenda de Educador de Minas 2018, pelo reconhecimento ao seu trabalho. Profissional engajado e dedicado que não poupa esforços para desenvolver um trabalho de excelência na escola. Tem como colaboradores a Supervisora Paula Fernanda de Freitas e o Professor Walerson Gonçalves Pereira que vem desenvolvendo o projeto interdisciplinar e conta com o apoio do corpo discente e parcerias que já são percebidas.

A escola fez uma importante aliança com a fábrica de vassouras de garrafa Pets, a empresa UNIAPOMG que reaproveita as “Pets” recolhidas pelos alunos. Integrantes do Projeto ECOS realizaram uma visita orientada à referida empresa, reconhecendo todo o processo de fabricação, produção e montagem das vassouras, o que agregou conhecimento e valor aos reutilizáveis.

A “Escola Estadual Professora Maria Elizabeth Viana”, localizada próxima ao Santuário de Santo Antônio de Roças Grande, tem como Diretor Dalvino Cândido Lobo Filho, conta com o apoio da Vice Diretora Vânia do O Sebastião Martins, da Supervisora Janice de Souza Santos Silva, da professora Gabriela Rodrigues de Melo que desenvolvem um trabalho humano e social. A escola dispõe de grande área verde que está sendo trabalhada pelos jovens alunos. A horta se transformou em uma realidade e o pomar revitalizado já conta com varias mudas novas. A instituição conseguiu o envolvimento da comunidade que doou mudas e esta ajudando no plantio.

“Escola Estadual Professor Zoroastro Vianna Passos”, Leonardo de Souza Lima jovem educador gestor da escola conta com a professora Giovanda dos Anjos, que contribui para abrir os horizontes dos jovens discentes. A instituição esta no centro da cidade, instalada na Praça Mello Viana, famosa pelo acervo histórico com o chafariz e a Igreja de Nossa Senhora do Rosário.  Os alunos criaram uma página no facebook e uma bandeira “ZORÔCICLA” para divulgar o projeto na escola e acompanha o grupo para os eventos por eles organizados. A horta já ganhou a sementeira com o uso de garrafas pets e de caixa de ovos, o que demonstra a preocupação com as questões ambientais.   O projeto do Grupo Arautos da Poesia, contou com os Poetas Luís Alves da cidade e do BBB poeta mineiro de Campos Gerais, Adrilles Jorge eles estiveram na escola apoiando os alunos na escrita e leitura de poemas. Trabalho que a equipe do ECOS participou efetivamente, realizou oficinas de baleiro, porta treco com jornais e revista, desenvolvendo nos alunos o gosto pelo trabalho manual, e o uso da criatividade utilizando as técnicas dos R (reciclar, reutilizar). O Projeto já ultrapassou os muros da escola e esta atuando no Asilo da cidade “Irmã Thereza de Jesus”. Os alunos organizaram um bazar solidário, revitalizaram o espaço para tornar-se mais agradável com mudas de chá e plantas ornamentais e promoveram um café com bolo para confraternizar com as idosas.

“Escola Estadual General Carneiro”, a orientação do projeto na escola é do professor Diógenes Mendes Kretli, desde 2011, ano que se iniciou a gincana ambiental com as escolas parceiras, a escola mantém-se pioneira quanto à participação no Ecos. A instituição por duas vezes alcançou premiações na gincana ambiental. A Escola General Carneiro foi a primeira escola do município de Sabará a participar no Movimento Ecos, trazendo em seu trabalho questões bem peculiares ao que confere a história do município, suas realidades, paisagem e as culturas locais. Localizada bem na borda das encostas a sudeste do município, vem desenvolvendo trabalhos ligados aos seus localismos e realismos, tratando de questões e problemas ligados a resíduos, água, energia e se envolvendo com trabalhos artísticos culturais, elementos bem próximos à realidade do município de Sabará. Hoje a escola possui outras escolas companheiras, garantindo a participação de centenas de jovens estudantes, deste município, nos segmentos de projeto do Movimento.

Trabalhar projetos é inserir os alunos em atividades prazerosas, envolventes, construtivas, levando a produzir ações que os motivem a continuar a preservar o meio ambiente e as relações sociais.

Em linhas gerais, observam-se várias justificativas primorosas, que conduzem a educação do município de Sabará em estar inserida no Movimento Ecos com brilhantismo, participações efetivas e contentamentos. As realidades do município trazem um conjunto de elementos que constrói um arcabouço interessantíssimo de realidades que somam muito ao Movimento, e que vêm incrementando e expandindo a esfera de conhecimento dos jovens estudantes sabarenses, e passam a ter oportunidade de se revelarem profissionais e jovens cidadãos, também, na luta em prol de melhorias ambientais e equidades sociais.

ECOS como instrumento de modificação de culturas dentro das escolas

No universo existem dois mundos distintos e bem categorizados. O mundo da natureza e o mundo da cultura. No primeiro, as leis naturais agem por um critério determinista, que se constituem como um ciclo recorrente.  A aurora de hoje foi a mesma de sempre. A percepção humana não é construir mecanismos de mudanças, mas apenas entender e descrever como a natureza funciona.

No outro mundo, o cultural, a condição humana de transformação é imperativa. Não há ciclos recorrentes, pois são as ações humanas transformadoras desse processo. O que antes era cultura deixa de ser por uma formação maior de cultura.

É aqui, nesse contexto cultural, que o Ecos se apresentou como instrumento de modificação de uma cultura dentro das escolas. A cultura do desperdício é substituída pela cultura da sustentabilidade que causa um impacto humano nas relações e no ambiente. Economizar uma gota d’água é uma ação humana de preservação do mundo da natureza. Mas foi mais que isso. A cultura do pertencimento, do reconhecimento do outro e da formação de equipes. A cultura de uma nova oportunidade, mesmo deixando a escola, de estudos e de perspectivas profissionais, se apontam no horizonte dos envolvidos no projeto.

A fase final do projeto começa a ser uma realidade das escolas, mas o trabalho continua, pois, a escola já enfrenta uma nova realidade. Já tem escolas ensaiando para a Caminhada Ecológica, porque para defender o meio ambiente é preciso fazer barulho. Já tem escolas se organizando com o transporte para o dia 23 de novembro. Mas todas agora estão envolvidas com a quantificação dos resultados de cada projeto desenvolvido.

O ciclo cultural que iniciou com o Dança de Rua, com o desfile garota e garoto ecos, também refletiu dentro das escolas, havendo escolas que desenvolveram o Ecos musical, e já torcem para que esse evento seja ampliado a um concurso entre todas as escolas.

Agora é hora de focar na tarefa final, mas já sabemos que o fim do movimento não termina.

Willio Campos – ECOS

ECOS 2018: As escolas parceiras entram na fase final de conclusão dos projetos

Outubro de 2018, o Movimento Ecos inicia sua fase de conclusão de todos os seus objetivos e agenda, que bem logo após os eventos Dança de Rua e o Garoto e garota Ecos, se volta à sua assessoria principal àquela em que se destina em auxiliar as escolas à conclusão de seus projetos. Necessariamente, muitas escolas já possuem resultados concretos e até mesmo fabulosos da intenção primordial de seus projetos às diversas categorias escolhidas, de modo que irão contribuir e somar aos objetivos de uma série de melhorias estruturais e comportamentais à saúde do ambiente escolar e comunidades. O momento é a preparação para entrega dos relatórios e tarefas finais.

As escolas em sua maioria conseguiram desenvolver trabalhos e oficinas ligadas ao reaproveitamento de resíduos, reciclagem de material orgânico para hortas, conseguindo melhorar a merenda escolar, reaproveitamento do papel, lata, madeira, conscientizar sobre o consumo de água e energia, além de promover campanhas sobre o trânsito e outras problemáticas do cotidiano que envolvem as escolas e seus entornos. Além dessas ações e condutas, esmera-se o sentido de multiplicar as idéias de transformação e repensar em questões que “juntos podemos”, ofertando parcela de melhoria à vida no planeta.

Escolas tradicionais, mais antigas como a Escola Pedro II, Instituto de Educação, Colégio Tiradentes, Mendes Pimentel, Izabel da Silva Polck e escolas periféricas como Antonio Miguel, Manoel Martins, Carmélia Gonçalves Loff, General Carneiro, Escola professora Amélia de Castro, dentre outras, que estão em outros municípios da RMBH, tem efetuado trabalhos interessantes nesta construção do Ecos 2018.

O valor pedagógico, ambiental e científico, tem ofertado a essas escolas, estímulos de um modelo de educação mais completa, otimizando as diretrizes da Educação Ambiental, que ainda não possui cadeira disciplinar, mas que se insere no currículo da educação pública.

Notadamente, um espelho de todos esses trabalhos elaborados pelas escolas, esteve nas imagens do Evento Garoto e Garota Ecos, que mostrou a criatividade e complexidade nos trajes dos jovens dessas escolas, que foi do papel ao vidro e fibras naturais, um esplendor ao que se refere ao reaproveitamento de resíduos. Além desse aspecto material, as escolas levaram temáticas que sobrevoam a nossa realidade atual, tais como questões de desigualdades sociais, homofobia, feminicídio, e simbologias nas vestes sobre a devastação do patrimônio e dos recursos naturais. Esse evento já é uma grande conquista para o Movimento, que hoje reúne mais de 100 escolas públicas.

 

O Movimento Ecos e as Obras Sociais

Em compromisso de um de seus objetivos o Movimento Ecos iniciou esta semana as campanhas que disponibilizam Bolsas de Estudo aos estudantes das escolas parceiras, para os cursos de Direito, Engenharia e Ciência da Computação. Essas bolsas traduzem toda a dedicação das equipes pelos trabalhos desenvolvidos, da participação efetiva na elaboração dos projetos. Essa contrapartida muito feliz é organizada com levantamentos e processos avaliativos criteriosos, que revelam que o estudante da escola pública tenha a oportunidade de inserção ao curso superior.

Os estudantes do Curso de Direito da Dom Helder e da Engenharia Civil da EMGE, estão visitando as escolas para a divulgação dos processos dos vestibulares e conduzindo informações bem específicas para que o processo seja realizado com sucesso, sendo supervisionado por professores e coordenação do Movimento.

A visão que se tem do Ecos nesse mês de outubro, está sendo a realização de suas intenções, não somente pela questão de concretizar os projetos, mas sim de mobilizar parte da sociedade em buscar também melhorias de sua própria condição, aqui no caso a educação.

Em tantas dificuldades atuais em geral, é muito importante e promissor em observar que ainda se colhe frutos de trabalhos coletivos, mesmo em tempo de tantas contradições políticas e econômicas, e mais ainda, observa que vários resultados são possíveis e que se canalizam na soma do coletivo, da educação consciente e na força da vontade em se ter um ambiente melhor, comentou o professor Elmo Júlio de Miranda, integrante do Movimento Ecos, desde 2010.

 

Matéria: Professor Elmo Júlio de Miranda E. Souza

             Júlia Reis, estudante e estagiária de Direito 7º período.

Movimento Ecos como instrumento de efetivação da educação ambiental

Educação ambiental é componente essencial e permanente da educação nacional, Tamanha sua importância, que ela deve ser articulada com todos os níveis e modalidades do processo educativo, seja ele formal e informal. Não resta dúvida que todos os cidadãos têm o direito de serem beneficiários da educação ambiental. Mas como efetivá-la? Produzindo lei?A lei já existe é 9795/99. A pergunta que se sustenta é: a lei é efetiva? Parece que não em sua totalidade, mas parcialmente. É essa carência que o Movimento Ecos tenta suprir construindo valores sociais, conhecimentos, habilidades e atitudes voltadas para a conservação do meio ambiente, colocando em prática não só a lei, mas também o Art. 225 da CR/88.

Todas as escolas parceiras do Movimento Ecos, planejaram, criaram e executaram seu projeto ambiental dentro das 10 ações pré-determinadas, sendo obrigatória redução do consumo de água e energia. Percebeu-se que cada equipe, a sua maneira, se dedicou à implantação do projeto e atingiu resultados que superaram a meta estabelecida inicialmente. Agora estão na reta final, término do projeto e entrega dos resultados totais. Qual o balanço até aqui? Desafio imenso trabalho em conjunto, cooperação, criatividade, superação, conquistas e satisfação, são alguns elementos destacados nessa caminha. Se por um lado a expectativa é grande para o dia da caminhada Ecos, momento que se conhecerá o projeto vencedor. Por outro a certeza de que a sociedade tem que se mobilizar para garantir um meio ambiente sadio equilibrado, que se aproveite para geração atual e para aquelas que estão por vir. A semente, literalmente, foi plantada e começa a germinar! Quanto ao dia final, a sorte está lançada e a torcida, fundamental neste caso, está organizada! Que venha dia 23 de novembro de 2018!

 

Prof. Lívia Maria C. G. De Souza

O Destaque desse mês vai para as escolas:

 

Escola Estadual Cândida Cabral

Professor orientador (Entrevistado): Cristiano Vieira de Andrade

Prof. Coordenadora nas Escolas Ecos: prof. Lívia Maria Cruz Gonçalves de Souza

Bolsistas Ecos que acompanham a Escola: Alessandra Thaís Silva Ambrósio e Rafael Mattioli Dias.

 

1-Como é a E.E. cândida Cabral?

A E.E. Cândida Cabral está localizada na Rua Frei Luiz de Souza, 481, Alto dos Pinheiros em Belo Horizonte. Próxima a Puc-Minas, e também próximo ao Anel Rodoviário, BR 040, Via Expressa e Avenida Delta. Situada em um bairro de bom poder aquisitivo, porém possuem algumas vilas próximas. Os alunos atendidos pela escola são a maioria oriundos dessas vilas com alguns poucos do bairro em si. Atualmente a escola funciona com ensino médio regular (manhã) com 2 turmas de 1º ano, duas de 2º ano e 1 de 3º ano com uma média de 25 a 30 alunos por sala; ensino médio Eja (Noite) com 1 turma de 1º ano 1 de 2º ano e 2 de terceiro, com uma média de 25 alunos por sala, além do curso de pós-médio (magistério). A escola atende principalmente alunos encaminhados da E.M João de Almeida e também alunos da E.E. Assis das Chagas. A escola está instalada em um prédio alugado e muito antigo que tem como qualidade a quantidade de salas disponíveis e espaços para serem usados como: biblioteca, sala de jogos, cantina, sala de informática, laboratório de ciências, porém carece de uma grande reforma para atender melhor aos alunos e professores.

Atende por volta de 300 alunos atualmente e possui 20 professores, 7 asb´s, 4 atb´s, um diretor, um vice e uma supervisora. Como ponto forte destaco a parte pedagógica bem definida com um projeto interdisciplinar todo o bimestre assim como um simulado tipo Enem com 5 questões de cada conteúdo além de uma redação. O ponto fraco fica por conta das condições ruins do prédio e também a falta de interesse das autoridades competente em reformá-lo.

2- O que motivou a escola a participar do Movimento Ecos?

Ao aceitar o convite para participar do Movimento Ecos, a escola viu uma oportunidade/ desafio de se integrar com outras instituições num tema extremamente importante no nosso dia-a-dia, buscar novas parcerias e mobilizar os alunos a participar plenamente de movimentos que busquem integrar/agregar atitudes positivas na sua vida e uma busca plena da cidadania.

3- Quais os objetivos a serem alcançados pela equipe do ecos?

Neste primeiro ano, a busca é de conhecimento do projeto, implementando metas e objetivos básicos para nos situarmos. Dentro da implementação, temos como objetivos:

  • Implantar o ponto de coleta de recicláveis
  • Implementar a horta Vertical
  • Implementar a compostagem de materiais
  • Implementar o ponto de coleta de óleo usado
  • Conscientizar sobre o uso racional da energia e da água

4- Quais são os próximos desafios do projeto?

Tendo em vista o que já alcançamos buscaremos:

  • Ampliar a horta vertical
  • Ampliar a compostagem de resíduos
  • Solidificar o ponto de coleta de recicláveis
  • Solidificar o ponto de coleta de óleo usado e buscar uma parceria com empresas especializadas para recolhimento
  • Mais palestras e oficinas sobre sustentabilidade
  • Criar pontos para a coleta de água de chuvas
  • Adotar um espaço da comunidade para transformar e melhorar ecologicamente
  • Buscar parcerias com a comunidade para atuar de forma significativa
  • Divulgar e trabalhar melhor o projeto como o corpo discente e docente da escola.

 

Escola Estadual Cristiano Machado

Professora Orientadora (Entrevistada): Danielle Apolinário Aquino

Prof. Coordenadora nas Escolas Ecos: prof. Lívia Maria Cruz Gonçalves de Souza

Bolsistas que acompanham a Escola: Fabíola Dias Souza Silva, Gabriela Soares Barbosa e Vânia Cristina dos Santos.

 

1- Como é a Escola Cristiano Machado? Localização, quantidade do corpo docente e discente, pontos fortes e fracos.

A escola Cristiano Machado é uma escola pequena, estadual situada na rua Francisco Bicalho, 79, bairro Padre Eustáquio.  Temos aproximadamente 200 alunos divididos entre fundamental II e ensino médio. Aproximadamente 20 professores. Um ponto positivo da escola é disposição que os servidores têm de fazer “dar certo”, mesmo com poucos recursos procuramos desenvolver projetos diferentes de forma a aumentar o quantitativo de alunos na escola, o que aumentaria a verba da escola. O ponto negativo é a falta de estrutura para desenvolver mais projetos, diversificar as aulas e reformar a escola.

 

2- O que motivou a Escola fazer parte do Movimento Ecos?

Como disse anteriormente buscamos fazer diversos projetos na escola e o movimento ecos por ter uma pegada ambiental e sustentável nos chamou a atenção. Como a escola já abraça projetos ambientais com o apoio da ONG Greenpeace, o projeto ecos proporcionou aos alunos uma forma de colocar em prática questões de preservação e sustentabilidade, além de trabalho em grupo. O projeto da horta foi abraçado por toda escola e eles cuidam dela com muita dedicação.

 

3- Quais os objetivos a serem alcançados pela equipe do Ecos?

Poder aumentar a horta, vitalizar outros espaços verdes, diminuir o consumo de água e luz e perpetuar esse projeto por anos, dando a oportunidade de mais alunos se engajarem.

 

4- Quais são os próximos desafios do projeto?

Aumentar a horta e criar mais espaços verdes, criar uma compostagem na escola, meios de canalizar água da chuva para irrigar a horta, trocar todas as lâmpadas por Led e diminuir seu quantitativo em salas. Fazer manutenção da parte elétrica e hidráulica de forma a garantir um baixo consumo, dentre outros.

 

Testemunho do vice representante Warley Junio Martins Vieira da Escola Estadual Flávio dos Santos, ganhadora do 1º lugar do Movimento Ecos/2017.

“Com o ECOS, a nossa escola ganhou sustentabilidade. São diversos projetos para ampliar e conscientizar a comunidade escolar. Incentivados pelo projeto, os alunos realizam essa mudança através de ações simples, como jogar o lixo em locais adequados, apagar a luz acesa ao saírem das salas e não deixar torneiras abertas.”

Testemunho da Professora orientadora, Elisangela Rodrigues, da Escola Estadual Flávio dos Santos, ganhadora do 1º lugar do Movimento Ecos/2017.

‘’O desenvolvimento do Projeto Ecos faz muita diferença nas escolas, a cada ano as ações se multiplicam nos estudantes, no espaço escolar e na sociedade. Além de ser um ótimo componente curricular e adorável por todos.’’

 

Escolas coordenadas pela Monitora Larissa Martins Alves dos Santos:

Escola Estadual Flávio dos Santos;

Escola Estadual Walt Disney;

Escola Estadual Ordem e Progresso;

Escola Estadual Maestro Villa Lobos;

Escola Estadual Maurício Murgel;

Escola Estadual Olegário Maciel;

Colégio Tiradentes da PMMG – Unidade Prado;

Colégio Tiradentes da PMMG- Unidade Gameleira e

Colégio Tiradentes da PMMG- Unidade Minas Caixa

 

Escolas coordenadas pela Professora Lívia Maria C. G. Souza:

E.E. Bernardo Monteiro

E.E. Cândida Cabral

E.E. Cândido Portinari

E.E. Cristiano Machado

E.E. Dom Cabral

E.E. Geraldo Jardim Linhare

E.E. Manuel Casasanta

E.E. Nossa Senhora Aparecida

E.E. Padre João De Mattos Almeida

E.E. Professor Morais

Educação ambiental transformadora e de qualidade, é esse o objetivo do ECODOM

Pensar educação sem preservação ambiental é destinar nosso planeta a um fim trágico é fatídico. A educação brasileira vem agregando valor ao pensamento crítico dos seres humanos com o objetivo de transformar- lós em cidadãos mais engajados nas questões ambientais.

O Movimento Socioambiental EcoDom, trabalha junto às escolas da região Metropolitana de Belo Horizonte, sendo um elo facilitador para a efetiva implantação da educação ambiental aliada a educação clássica.

Paulo Freire, educador brasileiro já preconizava uma educação critica participativa, integrada e envolvente, que de fato contribuísse na construção de um cidadão ativo, envolvido nas causas sociais, políticas e ambientais de sua comunidade, pedagogia da autonomia do cidadão participativo.

O Ecos resgata a percepção ambiental e a cultura tradicional de semear, plantar, colher, verduras, frutas e legumes, preparar a alimentação com produtos colhidos na horta ou fazer um chá de erva doce ou camomila. Prioriza que transformar as caminhadas pelo bairro é reconhecer os espaços urbanos como espaços de convivência e socialização que precisão ser conservados. Os alunos vivenciam essas experiências de forma interdisciplinar, transdisciplinar ao desenvolverem projetos de maneira coletiva.

As metas e objetivos do ECODOM, buscam a consciência ambiental, a integração da escola com a comunidade e seu entorno, para que os jovens tenham uma formação cidadã, com princípios éticos e morais em sua relação com seus pares na escola e na sociedade.

Os projetos desenvolvidos pelas instituições parceiras do ECODOM vêm divulgando e implementando a política dos 5R, importante, ordenamento para o tratamento dos resíduos sólidos criada pelo Ministério do Meio Ambiente. A política 5R entende que o cidadão consciente estará repensando seus valores e práticas do dia a dia e efetuando mudanças no consumo, que na sociedade atual tem sido exagerado, irresponsável e desmedido em prol da proteção ao meio ambiente.

Para tanto as escolas tem divulgado esses princípios dentro dos seus projetos, já que as ações de Redução da Geração de Resíduos Sólidos, Redução do Consumo de Papel e a Reciclagem e Reaproveitamento de Resíduos Sólidos são tarefas desenvolvidas nas escolas.

Portanto levamos a sustentabilidade para a sala de aula e o pensar ambiental quando nós deparamos com a analise desses verbos, tão cheios de significados e de ação:

  • Reduzir: diminuir o consumo criando novos hábitos e percepção das coisas;
  • Repensar: antes de adquirir verificar sua necessidade e utilidade;
  • Reaproveitar: dar nova utilidade, transformando, reutilizando, doando ou usando a criatividade característica tão inerente no povo brasileiro;
  • Reciclar: criar a cultura da coleta seletiva, na escola e nas residências;
  • Recusar dentro do possível, consumir produtos que gerem impactos socioambientais significativos.

Essas ações e resultados podem ser percebidos nas escolas parceira do Projeto ECODOM localizadas na região do Barreiro e adjacências que são: As Escolas Estaduais, EE Álvaro Laureano Pimentel, EE Desembargador Rodrigues Campos, EE Engenheiro Francisco Bicalho, EE Professor Cláudio Brandão, EE  Alberto Delpino, EE Cecília Meireles, EE Celso Machado, EE Diogo de Vasconcelos, EE Divina Providência,  E Doutor Aurino Morais, EE João Paulo I, EE Ministro Alfredo Vilhena Valadão, EE Padre João Bosco Penido Burnier, EE Padre João Botelho, EE Professora Maria Belmira Trindade, EE Lar dos Meninos.

O projeto se baseia em um diagnóstico da geração dos resíduos, seguindo para um desenvolvimento de soluções possíveis para sua redução com o reaproveitamento e transformação, a implantação da reciclagem e/ou a possível venda dos materiais ou doação e a gestão dos resíduos segundo sua natureza, como a compostagem com os restos dos alimentos da cantina.

A alimentação saudável é outro foco. Precisamos que os alunos reconheçam a necessidade de se alimentarem bem é de ter hábitos de exercícios diários.

As instituições que abraçaram as causas ambientais e sociais estão revendo suas realidades, e transformando sensivelmente o ambiente escolar, o que agrega valor e transforma os espaços da escola em um lugar mais belo e ecologicamente correto.

Ciangeli Clark e Gesun

Definidos os finalistas do Concurso Garoto e Garota ECOS 2018

Foto: Gilmar Pereira

Descontração, animação e muita criatividade tomaram conta do V Concurso Garoto e Garota ECOS realizado no auditório da Dom Helder Escola de Direito, neste sábado (22). Foram escolhidas as cinco escolas classificadas para a grande final no dia 23 de novembro.

O objetivo do concurso é a criação de “looks” a partir de materiais recicláveis. Em seu quinto ano consecutivo,  o evento não deixou a desejar. Fantasias incríveis e até um pedido de namoro deixaram a plateia boquiaberta.

De acordo como o Coordenador do Movimento Ecos, Dr. Francisco Haas, “o V Concurso do Garoto e Garoto Ecos foi um espetáculo de arte, criatividade, brilho e sustentabilidade. As 51 escolas finalistas demostraram que lixo e luxo podem ser aliadas quando se tem consciência socioambiental. Todos os 96 candidatos que desfilaram mereciam ficar na grande final. Parabéns e agora que os cinco finalistas em cada categoria possam se preparar para brilharem no dia 23 de novembro durante a caminhada ecológica e festa de premiação do Projeto Socioambiental de 2018”.

A estilista e também uma das juradas do evento, Camilla Torres, ressaltou a beleza e a criatividade das fantasias. “Eu achei maravilhoso, super criativo, super original. Acho que os meninos tiveram uma destreza para falar sobre o assunto também. Bem legal, gostei muito!”

A aluna da E.E. Carlos Drummond de Andrade, Rayane Caroline, exaltou o nervosismo para a apresentação. “Estou com uma expectativa muito boa sobre o desfile, estou um pouco nervosa e ansiosa, mas vai dar tudo certo. Porque nós acreditamos muito nisso e nos dedicamos muito para isto.”

O professor coordenador do Movimento ECOS, Luiz Chaves, também contou sobre o que achou do evento. “Fiquei impressionado com o nível técnico deste ano, melhorou mil por cento. Eu acredito que até o corpo de jurados teve muita dificuldade em fazer as avaliações. Todos foram maravilhosos!”

A iniciativa desperta a consciência crítica para a necessidade de preservação do meio ambiente, anima a festa de encerramento do projeto e incentiva a integração entre alunos e escolas.

Para a avaliação e escolha das vencedoras, foram consideradas a desenvoltura e a mensagem ambiental apresentada na fantasia, além da originalidade, do tipo de material utilizado e a manifestação do público.

Confira as cinco escolas classificadas para a final:

 

Homens

Tiradentes da PMMG – U. Avelino Camargo

E.E Carmélia Gonçalves Loffi

E.E Cidade dos Meninos SVP

Escola Estadual General Carneiro

E.E Prof Zoroastro Viana Passos

 

Mulheres

E.E Cidade dos Meninos SVP

Tiradentes da PMMG – U. Avelino Camargo

E.E Alberto Delpino

E.E Mendes Pimentel

E.E Prof Zoroastro Viana Passos

 

ECOS – Bárbara Teixeira

Finalistas do Concurso Garoto e Garota ECOS serão conhecidos neste sábado

As cinco escolas finalistas do V Concurso Garoto e Garota ECOS serão conhecidas neste sábado (22). Estudantes de 51 escolas vão desfilar com os melhores “looks” sustentáveis escolhidos por cada instituição participante, a partir das 8h30, no auditório da Escola Superior Dom Helder Câmara.

Iniciativa que movimenta e estimula a criatividade ambiental dos alunos, o concurso é uma das etapas do Projeto Socioambiental 2018 do Movimento ECOS, projeto pioneiro desenvolvido pela Dom Helder e a Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE).  As escolas puderam se inscrever até o dia 12 de setembro e agora serão escolhidas as cinco melhores que vão disputar o título na grande final do projeto que será realizado no dia 23 de novembro.

O objetivo do Concurso Garoto e Garota Ecos, que teve a primeira edição em 2013, é despertar a consciência crítica para a necessidade de preservação do meio ambiente, animar a festa de encerramento do projeto e incentivar a integração entre alunos e escolas.

Para a avaliação e escolha das vencedoras, serão consideradas a desenvoltura e a mensagem ambiental apresentada na fantasia, além da originalidade, do tipo de material utilizado e a manifestação do público.

Os alunos da Dom Helder e da EMGE que assistirem o desfile ganharão 4 horas de atividades complementares na área da Extensão.

O Edital do Concurso Garoto e Garota ECOS pode ser visualizado aqui: Edital de Concurso Garota e Garoto Ecos 2018

No sorteio realizado nessa terça-feira (18), a ordem de apresentação ficou assim definida:

 

Ordem da Apresentação Escola
1 Instituto de Educação de Minas Gerais
2 C. Tiradentes – Unidade Gameleira
3 E.E Presidente Tancredo Neves
4 C. Tiradentes da PMMG – U. Argentino Madeira
5 E.E Engenheiro Francisco Bicalho
6 C. Tiradentes da PMMG – U. Avelino Camargo
7 E.E Professor Alisson Pereira Guimarães
8 C. Tiradentes da PMMG – U.  Vespasiano
9 Escola Estadual General Carneiro
10 C. Tiradentes ­ Unidade Contagem
11 E.E Afrânio de Melo Franco
12 E.E Agnelo Correia Viana
13 E.E Alberto Delpino
14 E.E Ana De Carvalho Silveira
15 E.E Antonio Miguel Cerqueira Neto
16 E.E Cândido Portinari
17 E.E Carmélia Gonçalves Loffi
18 E.E Celso Machado
19 E.E Cidade dos Meninos SVP
20 E.E Coração Eucarístico
21 E.E Coronel Adelino Castelo Branco
22 E.E Cristiano Machado
23 E.E Doutor Aurino Morais
24 E.E Flávio dos Santos
25 E.E Geraldo Jardim Linhares
26 E.E Henrique Diniz
27 E.E Isabel da Silva Polck
28 E.E João Alphonsus
29 E.E João Paulo I
30 E.E Juscelino Kubitschek de Oliveira
31 E.E Leopoldo Miranda
32 E.E Maria de Lourdes De Oliveira
33 E.E Manoel Martins de Melo
34 E.E Manuel Casasanta
35 E.E Maria Elizabeth Vianna
36 E.E Maurício Murgel
37 E.E Mendes Pimentel
38 E.E Padre João Bosco Penido Burnier
39 E.E Carlos Drummond de Andrade
40 E.E Pedro II
41 E.E Presidente Dutra
42 E.E Professor Cláudio Brandão
43 E.E Prof Guilherme Azevedo Lage
44 E.E Prof Zoroastro Viana Passos
45 E.M Profra Luíza Maria de Souza
46 E.E Sagrada Família II
47 E.E Três Poderes
48 E.E Walt Disney
49 E Mun Caio Líbano Soares
50 E.E Desemb Rodrigues Campos
51 EE Profra Amélia de Castro Monteiro

 

Bárbara Teixeira

O MOVIMENTO ECOS não para! E continua sem fadiga nas escolas de Belo Horizonte

O desenvolvimento sustentável, como ideologia ambiental, é o combustível que alimenta essas ações. Mas um combustível que produz a energia para esse movimento humano, não permite o desperdício de refugos no ambiente. Ao contrário, tem sido elemento indispensável nas escolas como instrumento agregador de servidores, professores e alunos.

Na Escola Estadual Coração Eucarístico foi celebrada uma reunião com o objetivo de planejar ações. os alunos demonstram-se engajados com o projeto e publicaram diversas fotos dos resultados colhidos tanto na horta horizontal e na suspensa quanto no EcoPonto, que visa a atividade de coleta seletiva. Além disso, foi criado um Instagram exclusivamente destinado à divulgação do projeto (@projetoecoscoreu), no qual mensagens de incentivo e conscientização também são publicadas. O projeto ecos se ramificou nas redes.

Escola Presidente Dutra juntos de seus alunos e professores estão articulando a participação no Concurso Garota Ecos. A aluna Eunice é quem representará a escola. O desenvolvimento da horta continua a todo vapor: os alunos agora estão pintando um quadro para unir Design e Sustentabilidade em um mesmo ideal. A prática da conscientização ecológica se torna permanente e cada vez mais a liderança dos alunos do movimento Ecos é reconhecida dentro e fora da escola. Após perceberem que a realização de praticas sustentáveis é a chave para o nosso futuro, houve um maior envolvimento dos alunos, funcionários e professores, assim foi possível a realização de diversas tarefas na escola, como, a redução de energia, redução de água, criação de uma horta. Com a ajuda de todos, mostrou que mais pessoas se unindo em um mesmo objetivo o resultado pode ser obtido de forma mais rápida e eficaz. Além disso, a realização do projeto ECOS na escola não garante apenas um ambiente mais agradável, como também a formação de pessoas mais conscientes com   relação ao nosso futuro.

O uso da internet como meio de comunicação e divulgação tem sido uma excelente ferramenta. Inspirados nessa ideia, os alunos do terceiro ano da Escola Estadual Professora Inês Geralda de Oliveira criaram uma página no Instagram – rede social para compartilhamento de fotos e vídeos -, com o propósito de divulgarem os projetos que estão sendo feitos na escola.

Já que o acesso à internet se tornou algo tão comum a todos, vamos fazer disso uma forma de conscientização geral, uma vez que um simples post pode se espalhar para milhões de pessoas em segundos. Se tratando do quesito divulgação, a internet é uma ótima aliada às ideias sustentáveis.

Na Escola Estadual Professor Guilherme Azevedo Lage duas oficinas foram efetivadas esse mês: A primeira sobre cultivo e plantio, na qual foi ofertada pela professora representante Márcia, que ensinou os alunos a identificar cada tipo de planta, como cultivar, como ocupar menos espaço e concluiu fazendo uma dinâmica com os participantes, fazendo com que se dividissem em vários grupos para realizar uma tarefa de plantar varias mudas.

A segunda oficina foi ofertada pela professora Valeria de artes que mostrou todo seu conhecimento e ensinou os alunos a utilizar o papel mais de uma vez, dando uma segunda utilidade e a maneira correta de reciclar.

Com estas oficinas a escola conseguiu muito material, na qual será vendido e o dinheiro será investido no projeto, além disso, com a oficina o projeto dentro da escola se tornou mais popular.

Alunos e servidores da Escola Estadual José Bonifácio começam o segundo semestre de 2018 reutilizando pingentes de bijuterias estragadas para economizar água. Os pingentes exercem a função dos aeradores e ao diminuir a vazão, se gasta menos água.

Juntos, somos hoje muitos, que temos a convicção e consciência de que o mundo melhor está nas nossas mãos, Juntos Podemos! E podemos mesmo.

ECOS

Dia Mundial da Limpeza marcado por ato na Lagoa da Pampulha

Na manhã do último sábado (15), o movimento ECOS, todos os alunos, professores, coordenadores e diretores participantes do Projeto Socioambiental 2018, além dos estudantes da Dom Helder Escola de Direito e da Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE), participaram de uma ação ambiental.

A proposta da ação foi a de limpar a Orla da Lagoa da Pampulha, patrimônio de Belo Horizonte, como forma de conscientização do dia e sustentabilidade.

O coordenador do Movimento Ecos, Francisco Haas, salientou a importância de trazer o movimento mundial da limpeza à Belo Horizonte: “A adesão do Movimento Ecos ao Dia Mundial da Limpeza é um ato simbólico de juntos podermos mudar a nossa postura em relação ao convívio mais sustentável entre o homem e a natureza – viver equilibradamente para que as gerações futuras tenham um planeta viável”.

De acordo com a Superintendência de Limpeza Urbana (SLU), são recolhidos entre cinco e seis toneladas de lixo por dia no local. Nos finais de semana, o número pode chegar a 10 toneladas.

O professor Francisco iniciou o evento com sua palavra: “Nos reunimos hoje para fazermos o grande ato de um ambiente equilibrado, sustentável e limpo.”

Em seguida, Carolina, organizadora do movimento mundial da limpeza, ficou com as considerações: “Muito obrigada pela presença de vocês, estou extremamente emocionada e muito feliz. Vamos nos unir, vamos compartilhar esse movimento, as informações, a necessidade de passar para a população sobre a grande importância da reciclagem. Precisamos preservar o meio ambiente”.

Carolina ainda criou um grito de guerra e os participantes, empolgados, entoaram junto: “Lixo no chão? Não!”.

O professor José Cláudio prosseguiu com as suas considerações: “Esta é uma experiência maravilhosa que estamos vivendo, de demonstrar para toda a população a importância desse ato. A reflexão que precisamos fazer é de que o lixo que está no chão é responsabilidade de todos nós”.

Participantes do projeto ECOS, alunos da Escola Madre Carmelita, moradores da Lagoa e componentes do movimento mundial da limpeza começaram o ato na orla da Lagoa, e, em poucos minutos, entulhos e mais entulhos de lixo haviam sido coletados.

Ao final do evento, a pesagem apontou que mais de 200 Kg de lixo haviam sido coletados em menos de uma hora.

O ato instituiu mais uma data importantíssima para o meio ambiente e para o movimento ECOS.

ECOS

Movimento Ecos em apoio ao Dia Mundial da Limpeza

 

Você sabia que o Dia Mundial da Limpeza é comemorado no próximo sábado (15)? E para celebrar ao estilo ECOS, todos os alunos, professores, coordenadores e diretores participantes do Projeto Socioambiental 2018, além dos estudantes da Dom Helder Escola de Direito e da Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE), estão convidados a participar de uma ação ambiental.

O ECOS estará na Orla da Lagoa da Pampulha das 9h às 11h.  A concentração está marcada para às 8h30, em frente à Praça da Igrejinha da Pampulha.

O coordenador do Movimento Ecos, Francisco Haas, salienta a importância de trazer o movimento mundial da limpeza à Belo Horizonte. “A adesão do Movimento Ecos ao Dia Mundial da Limpeza é um ato simbólico de juntos podermos mudar a nossa postura em relação ao convívio mais sustentável entre o homem e a natureza – viver equilibradamente para que as gerações futuras tenham um planeta viável”, destaca.

A proposta da ação é limpar a Orla da Lagoa da Pampulha, patrimônio de Belo Horizonte, como forma de conscientização do dia e sustentabilidade.

De acordo com a Superintendência de Limpeza Urbana (SLU), são recolhidos entre cinco e seis toneladas de lixo por dia no local. Nos finais de semana, o número pode chegar a 10 toneladas.

No Dia da Limpeza, o ECOS pretende recolher o máximo de lixo possível da orla. “Num ato simbólico, vamos estar neste sábado na beira da Lagoa da Pampulha recolhendo os resíduos que as pessoas, de uma forma inadequada, lançaram naquela região. Queremos passar a mensagem de que o lixo que está na rua é um problema de cada cidadão. Então, para que não seja necessário catar o lixo, como vamos fazer no sábado, as pessoas não deveriam lançar esses resíduos em via pública”, diz José Cláudio Junqueira, professor da Dom Helder e da EMGE.

De acordo com o professor do ECOS, Willio Campos, a mobilização em prol do Dia Mundial da Limpeza “é um ato simbólico que corresponde a educação ambiental”. Campos ainda ressalta a importância da participação dos professores, coordenadores e alunos do movimento. “Temos que estar envolvidos com esta questão ambiental, afinal de contas se não nos preocuparmos agora, não teremos um futuro adiante”, lembra.

Para o coordenador e professor Luiz Antônio Chaves, o ato de limpeza na orla da Pampulha poderá trazer visibilidade ao projeto. “É muito importante porque vai dar visibilidade ao Movimento ECOS para toda a sociedade de Belo Horizonte e para a sociedade mundial que estará, de uma forma ou outra, fazendo o mesmo trabalho em todas as grandes capitais do Brasil e do Mundo”.

Ele reforça também que toda mobilização poderá rodar o mundo através de fotos e redes sociais. “As fotos que a própria equipe organizadora vai tirar naquele momento, naquele local simbólico, que é a Igrejinha da Pampulha, poderão rodar o mundo, e nesse sentido, é importante o Movimento ECOS abraçar esta causa, como uma causa sua, como uma causa nossa, como uma causa de cada aluno da Dom Helder e da EMGE que está hoje empenhado neste trabalho”, pontua.

Vale lembrar que qualquer pessoa é bem-vinda à ação e os alunos da Dom Helder e da EMGE que participarem ganharão oito horas de atividades complementares na área da Extensão.

Os organizadores da ação destacam que é importante ir de roupas leves, usar sapatos fechados, como tênis ou botas, levar garrafinhas de água e usar protetor solar, repelente e boné.

Participe da ação e ajude a transformar o mundo em um lugar melhor, mais sustentável e consciente com o meio ambiente!

Bárbara Teixeira